Facebook Youtube
20 de Novembro, 2017

Os pobres estão no coração do Evangelho, diz Papa

No Angelus deste domingo, Dia Mundial dos Pobres, Francisco refletiu sobre a parábola dos talentos e afirmou que os pobres devem estar no centro das comunidades

Para seguir adiante e crescer no caminho da vida é preciso não ter medo, é preciso ter confiança. Esta foi a exortação do Papa Francisco no Angelus deste domingo, 19, Dia Mundial dos Pobres, celebrado pela Igreja Católica. A partir do Evangelho do dia, sobre a parábola dos talentos, o Santo Padre pediu aos cristãos que não desperdicem os dons dados por Deus.

O medo paralisa

Ao se referir ao comportamento do servo que enterrou o talento que lhe foi confiado por medo de seu senhor, o Papa ressaltou a falta de confiança na relação entre o servo e o patrão, e o medo que paralisa. O medo imobiliza e, muitas vezes, leva a escolhas equivocadas.

Francisco explicou ainda que a parábola remete à importância do verdadeiro entendimento de Deus. “Não devemos pensar que Ele seja Senhor inclemente, duro e severo que quer nos punir. Se dentro de nós há esta imagem equivocada de Deus, então nossa vida não poderá ser fecunda, porque viveremos no medo e isso não nos levará a nada de bom. Somos chamados a refletir para descobrir qual é verdadeiramente nossa ideia de Deus”.

Deus, um Pai repleto de amor

O Pontífice recordou que, no Antigo Testamento, Deus se revela como “Deus misericordioso e compassivo, lento à ira e rico de amor e de fidelidade”. E Jesus sempre mostra que Deus não é um Senhor severo e intolerante, mas um Pai repleto de amor, ternura e bondade, em quem se pode depositar imensa confiança.

“Jesus nos mostra a generosidade e a solicitude do Pai em muitos modos: com a sua palavra, com seus gestos, com seu acolhimento a todos, especialmente para com os pecadores, os pequenos e os pobres, mas também com suas advertências, que revelam seu interesse a fim de que não desperdicemos inutilmente nossa vida”.

Chamado à responsabilidade pessoal e fidelidade

De acordo com o Santo Padre, a parábola dos talentos chama a uma responsabilidade pessoal e a uma fidelidade que se torna também capaz de colocar todos em novas estradas, sem “enterrar o talento”, ou seja, os dons que Deus confiou, e dos quais pedirá conta.

Pobres devem estar no centro das comunidades

Após a oração mariana, o Papa lembrou aos milhares de fiéis e peregrinos presentes na Praça São Pedro que neste sábado, 18, foi proclamado Beato em Detroit, nos EUA, Francisco Solano, sacerdote da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos.

“Humilde e fiel discípulo de Cristo, distinguiu-se por um incansável serviço aos pobres. Seu testemunho ajuda sacerdotes, religiosos e leigos a viver com alegria a união entre anúncio do Evangelho e amor aos pobres (…) Faço votos de que os pobres estejam no centro de nossas comunidades não somente em momentos como este, mas sempre, porque eles estão no coração do Evangelho, neles encontramos Jesus que nos fala e nos interpela através de seus sofrimentos e de suas necessidades”.

Apelo em favor da paz

Concluindo sua reflexão, o Papa recordou as populações que vivem uma dolorosa pobreza em razão das guerras e conflitos, renovando à comunidade internacional um veemente apelo a fazer todo esforço possível em favor da paz, em particular no Oriente Médio.

“Dirijo um pensamento especial ao querido povo libanês e rezo pela estabilidade do país, a fim de que possa continuar sendo uma mensagem de respeito e convivência para toda a região e para o mundo inteiro”.



Fonte: Amex, com Rádio Vaticano


comments powered by Disqus