Facebook Youtube Instagram
18 de Dezembro, 2018

Papa afirma que São José é o homem dos sonhos com os pés no chão

Francisco dedicou a homilia desta terça-feira (18) a São José e pediu aos fiéis que não percam a capacidade de sonhar

Durante homilia desta manhã (18), na capela da Casa Santa Marta, o Papa Francisco definiu as características de São José em duas expressões: “José é o homem que sabe acompanhar em silêncio” e é “o homem dos sonhos”.  Neste tempo de Advento, o Pontífice recordou as crianças com deficiência da Eslováquia que fabricaram as bolas para a árvore de Natal colocada no altar.

A sabedoria dos bons pais

O Santo Padre destacou que, nas Sagradas Escrituras, todos conhecem José como “um homem justo, que observa a lei, um trabalhador, humilde, apaixonado por Maria”. Ele explicou que José, num primeiro momento, diante do incompreensível, “prefere colocar-se de lado”, mas depois “Deus lhe revela a sua missão”.

Francisco disse ainda que assim José abraça a sua tarefa, o seu papel, e acompanha o crescimento do Filho de Deus ‘em silêncio, sem julgar, sem falar mal, sem fofocar’. “Ajuda a crescer, a se desenvolver. Assim procurou um lugar para que o filho nascesse; cuidou dele; o ajudou a crescer; lhe ensinou a profissão: muitas coisas... Em silêncio. Jamais tomou para si a propriedade do filho: o deixou crescer em silêncio. Deixa crescer: seria a palavra que nos ajudaria muito, a nós, que por natureza sempre queremos colocar o nariz em tudo, sobretudo na vida dos outros. ‘E por que faz isso? Por que faz aquilo…?’ E começam a fofocar, falar…. E ele deixa crescer. Protege. Ajuda, mas em silêncio”, pontuou o Pontífice.

O Papa reconhece uma atitude sábia em muitos pais: ‘a capacidade de esperar, sem dar bronca logo, mesmo diante do erro’. Francisco alertou que é fundamental saber esperar, antes de dizer a palavra capaz de fazer crescer. “Esperar em silêncio, como faz Deus com os seus filhos, com os quais tem muita paciência”, destacou.

O homem dos sonhos

Na homilia, o Pontífice esclareceu que São José era um homem concreto, mas com o coração aberto, “o homem dos sonhos”, não “um sonhador”. “O sonho é um lugar privilegiado para buscar a verdade, porque ali não nos defendemos da verdade. Vêm e… Deus fala também nos sonhos. Nem sempre, porque normalmente é o nosso inconsciente que vem, mas Deus muitas vezes escolheu falar nos sonhos. E o fez muitas vezes, na Bíblia se vê, não? Nos sonhos. Mas José era o homem dos sonhos, mas não era um sonhador, eh? Não tinha fantasias. Um sonhador é outra coisa: é aquele que crê… vai… está no ar e não tem os pés no chão. José tinha os pés no chão. Mas era aberto”, relatou.

Não perder o prazer de sonhar

Por fim, Francisco pediu a todos que não percam a capacidade de sonhar, a capacidade de se abrir ao amanhã com confiança, apesar das dificuldades que possam aparecer. “Não perder a capacidade de sonhar o futuro: cada um de nós. Cada um de nós: sonhar a nossa família, os nossos filhos, os nossos pais. Ver como eu gostaria que fosse a vida deles. Os sacerdotes também: sonhar os nossos fiéis, o que queremos para eles. Sonhar como sonham os jovens, que são “sem pudor” ao sonhar, e ali encontram um caminho. Não perder a capacidade de sonhar, porque sonhar é abrir as portas para o futuro. Ser fecundos no futuro”, concluiu.



Fonte: Amex, com Vatican News