Facebook Youtube Instagram
25 de Junho, 2020

Mãe Admirável: Um título especial para Nossa Senhora

O título da “Mãe Três Vezes Admirável” tem sua origem nessa Ladainha, na qual Maria é invocada como “Mãe Admirável”.

O Papa Francisco acrescentou mais três invocações na Ladainha Lauretana. Mas, o que é essa ladainha? Como ela surgiu?

A palavra ladainha vem do grego litaneía (súplica), pelo latim litanīa (idem). Isto é: orações com frases que se repetem muitas vezes. Há muitas orações em forma de ladainhas, mas, a mais conhecida é a Ladainha de Nossa Senhora, também conhecida por Ladainha Lauretana, por ter sua origem no Santuário de Loreto, na Itália, no século XIII. Esse Santuário, conta a história, é a casa em que Maria viveu, em Nazaré/Israel, e que foi transladada para Loreto. Ao entrar na casa da Mãe, os peregrinos conversavam com ela, dando-lhe diversos títulos. Aos poucos, foi-se organizando essas invocações, iniciando com a invocação a Santíssima Trindade, porque a grandeza de Maria tem sua origem nas grandes coisas que Deus fez por ela. Segue-se, então, as invocações a Maria, com diversos títulos e acrescentou-se uma única resposta: “Rogai por nós!” Com a aprovação eclesiástica, em 1601, pelo Papa Clemente VIII, a Ladainha Lauretana tornou-se ainda mais conhecida e rezada em toda a Igreja.

Muitos nomes para uma mesma Mãe

A lista de nomes carinhosos com que os filhos da Igreja chamam a sua Mãe não para de crescer. Por exemplo: em 1854, foi acrescentado: “Rainha concebida sem pecado”; “Mãe do Bom Conselho” chegou em 1903; durante a I Guerra Mundial, em 1917, chegou a invocação: “Rainha da Paz”; com o dogma da Assunção, em 1950, entra na ladainha a invocação: “Rainha Assunta ao Céu”. “Mãe da Igreja”, foi incluída durante o Concílio Vaticano II, em 1964. São João Paulo II, em 1995, acrescenta “Rainha da Família”, e o Papa Francisco traz agora: Mãe da Misericórdia, Mãe da Esperança e Conforto dos Migrantes. Portanto, em 15 invocações Maria é chamada como Mãe e em 13 como Rainha; 5 invocações honram a sua virgindade, 5 clamam pela sua misericórdia e 13 a invocam por meio de imagens simbólicas.

O título da “Mãe Três Vezes Admirável” tem sua origem nessa Ladainha, na qual Maria é invocada como “Mãe Admirável”.

Pe. Jakob Rem e o ícone da MTA de Ingolstadt (Imagem: jesuiten.org)

Mas, por que tornou-se conhecida como “Três Vezes Admirável”?

O título “Mater Ter Admirabilis” foi dado originalmente a uma imagem de Nossa Senhora, na cidade de Ingolstadt, na Alemanha. O sacerdote jesuíta Pe. Jakob Rem (1546-1618), diretor espiritual de um grupo de jovens congregados marianos, ao rezar essa Ladainha, com seus alunos, sempre se perguntava qual desses títulos mais agradava a Maria. Certa vez, quando cantava a Ladainha, com seus educandos, teve uma experiência mística, justamente no momento da invocação, “Mãe Admirável”, tendo a resposta para sua pergunta. Então, ele pediu que se repetisse três vezes essa invocação e a experiência mística repetiu-se por três vezes. A partir de então, a imagem da mãe e do filho que havia na capela (um ícone da Salus Populi Romani) foi denominada “Três Vezes Admirável”.

Influência em Schoenstatt

A história do Pe. Rem e da Congregação Mariana de Ingolstadt chamaram a atenção do Pe. José Kentenich. Isso devido ao momento histórico que eles viviam, a similaridade com a história de Schoenstatt e, principalmente, por inspiração da Divina Providência. “Em 1595, o Pe. Jacob Rem reuniu ao seu redor um círculo de elite da Congregação Mariana de Ingolstadt, uma das primeiras da Alemanha. Esta Congregação floresceu tanto que se estendeu além das fronteiras de Ingolstadt e contribuiu decisivamente para a renovação da vida da Igreja no sul da Alemanha” [1].

A Congregação de Ingolstadt contribuiu muito para manter viva a fé católica no período da reforma protestante. E, como em 1914 iniciava a Guerra Mundial, seria necessário que uma nova Congregação Mariana garantisse a fé também neste período de crise. “Depois de ler o livro (sobre a Congregação de Ingolstadt), o Pe. Kentenich fez com que o mesmo circulasse entre os congregados. Ao mesmo tempo, em suas conferências, apontava para o exemplo da Congregação de Ingolstadt. […] ‘Da capelinha de nossa Congregação deve originar-se uma renovação religiosa e moral da Alemanha, a exemplo do que aconteceu com Ingolstadt’” [2].

Quando o quadro de Maria chega a Schoenstatt…

Em 1915 os jovens congregados de Schoenstatt ganharam uma imagem de Nossa Senhora para sua capelinha, porém, naquele momento, desconheciam o título da imagem. Por isso, precisavam escolher um “nome” para ela, um título com o qual gostariam de venerar Nossa Senhora. Foi então que eles inspiraram-se em Ingolstadt: “Igualmente o Pe. Kentenich assumiu do Pe. Rem e da Congregação Mariana de Ingolstadt o nome da imagem de Nossa Senhora: ‘Mater Ter Admirabilis: Mãe Três Vezes Admirável’” [3].

Este paralelo, além da própria imagem da MTA, está gravado no Santuário Original com a inscrição “Ingolstadt 1914 – Schoenstatt 1919”.

 

Em Ingolstadt foi construído o Santuário de Schoenstatt, onde a Mãe e Rainha recebe três coroas sob sua fronte (fotos: Paul Stöckl)

 

Fontes:

https://www.a12.com/redacaoa12/qual-o-significado-das-invocacoes-na-ladainha-de-nossa-senhora-06-09-2018-10-59-11

https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2020-06/papa-francisco-acrescenta-tres-invocacoes-ladainha-nossa-senhora.html

https://www.jesuiten.org/news/jakob-rem

[1] MONNERJAHN, Engelbert. Pe. José Kentenich – Uma vida pela Igreja

[2] Idem

[3] Ibidem

 

Por: Ir. M. Nilza P. da Silva / Karen Bueno


Fonte: schoenstatt.org.br